Insights Boxx

Novidades sobre o mercado, tendências e consumidores

abr
16

Por que a Netflix é uma das marcas mais criativas do mundo

Postado em por Luciano Montelatto in Blog

São pelo menos 109 milhões de assinaturas. 190 países. 1 bilhão de horas consumidas por semana. 40 milhões de curtidas no Facebook. 4 milhões de seguidores no Twitter. Mais de 2 milhões de pessoas que se inscreveram no canal da empresa no YouTube. Esses são apenas alguns dos números estarrecedores que representam a marca queridinha da atualidade: Netflix.

Com um atendimento diferenciado, conteúdo de qualidade, preço justo e um trabalho de digital branding excepcional, digno de inspiração para outras empresas, o serviço de streaming vem crescendo a cada ano, tornando-se o terceiro maior serviço de streaming no ranking mundial.

Atualmente, a empresa é avaliada em U$ 60 bilhões. Um ótimo número para quem está no mercado de stream há somente 10 anos, não é? Isso mesmo, o serviço existe há 10 anos, mas a Netflix existe no mercado há 20 anos. Não sabia? Então vamos conhecer um pouco mais sobre a história da gigante Netflix.

HISTÓRIA DA EMPRESA

Fundada em 1997, pelos empreendedores Reed Hastings e Marc Randolph, a marca era apenas um serviço online de locação de filmes em VHS. Em 1998, com o avanço da tecnologia e a demanda cada vez maior, a NetFlix surgiu como um serviço on demand de locação de DVDs que era entregue pelos correios na residência dos clientes.

Um ano depois, a marca lançou um plano para assinantes que oferecia locação ilimitada para os assinantes, ou seja, o cliente poderia alugar até três títulos por vez, sem data de devolução. À medida que os títulos retornavam para a empresa, eram enviados outros filmes de acordo com os gostos do assinante.

Em 2000, com o sucesso do serviço, a marca foi oferecida para a Blockbuster, maior rede de locadoras do mundo – e maior concorrente da Netflix na época – pelo valor de US$50 milhões. A empresa recusou a oferta alegando que o negócio não seria promissor. Em 2010, a Blockbuster declarou falência e fechou mais de 300 lojas apenas nos Estados Unidos.

Mas o sucesso chegou mesmo em 2007, com o lançamento do serviço de streaming como conhecemos. Com planos iniciais de US$16,99, os assinantes tinham direito a 17 horas de vídeo; apenas seis meses após o lançamento, as visualizações da plataforma ultrapassavam 10 milhões.

Com isso, de 2008 a 2010, a empresa se focou em conseguir parcerias com empresas de tecnologia, para que o serviço pudesse ser transmitido em tablets, smart TVs, videogames e smartphones.

Logo em seguida, a marca decidiu expandir seus serviços para além dos EUA. O primeiro país a receber o serviço foi o Canadá, seguido pela América Latina, Europa, Austrália, Nova Zelândia e Japão. Assim, o serviço chegou ao Brasil apenas em 2011.

A explosão veio em 2013 quando a, agora produtora, lançou seu primeiro título original intitulado “House of Cards”. O sucesso foi tão grande que rendeu à produção o prêmio Emmy de Melhor Direção em Série Dramática e entrou para a história como a primeira websérie a receber um troféu da premiação mais importante da TV americana. No mesmo ano, duas novas séries foram lançadas: Hemlock Grove e Orange is The New Black. Ao todo, as séries da Netflix renderam, apenas naquele ano, mais de 31 indicações nas principais premiações.

No primeiro semestre de 2016, a Netflix alcançou a marca de 75 milhões de assinantes e chegou à quase todos os países com exceção de China, Coreia do Norte, Crimeia e Síria, pois nesses países, o governo proíbe o consumo de serviços americanos.

INOVAÇÃO

Sabemos que, praticamente, qualquer serviço que assinamos ou contratamos, principalmente online, realiza uma coleta de dados. A diferença é como cada empresa utiliza essas informações: há quem as ignore, há quem utilize para obter lucro e existe a Netflix que utiliza as informações para oferecer um serviço personalizado ao usuário e, consequentemente, fidelizá-lo. Mas como ela faz isso?

Você já assistiu uma série e pensou como ela parece ter sido feita para você? É por que ela realmente foi. A Netflix estuda constantemente os hábitos dos seus consumidores, para saber exatamente o que ele acessa, quando acessa e por que acessa e assim, oferecer o que mais se encaixa em seus padrões de consumo e comportamento; ela não trabalha com pressupostos e sim, com dados concretos. Alguns dos hábitos estudados pela empresa são:

• O momento em que você pausa, volta ou adianta uma cena;

• Quanto tempo depois do pause você demora para retornar ou não ao conteúdo;

• Em qual dispositivo você assiste ao conteúdo;

• Quais os horários e dias em que você mais utiliza o serviço;

• O seu feedback em relação ao conteúdo consumido;

• Seus hábitos de rolagem na página inicial.

Dessa forma, mesmo quando você não avalia diretamente um conteúdo ou a própria empresa, você está dando seu feedback, que será utilizado para realizar testes e realizar as alterações necessárias seja na programação ou na interface do serviço.

Quer um exemplo de como esse estudo funciona na prática? Em 2011 a empresa, através de suas análises, identificou que os conteúdos mais consumidos pelos usuários eram filmes estrelados pelo ator Kevin Spacey; títulos dirigidos pelo cineasta David Fincher e uma minissérie britânica dos anos 90 que tratava sobre política.

Assim, a empresa, em 2013, investiu US$100 milhões para produzir o drama House of Cards. Estrelado por Kevin Spacey e dirigido por David Fincher, a minissérie aborda a política americana, adaptando a minissérie homônima de 1990. O resultado? Milhões de telespectadores.

CRIATIVIDADE E CASES DE SUCESSO

Marca registrada do serviço, a criatividade é o que torna a Netflix ainda mais popular. Isso, porque a empresa sabe como conversar com seu público de uma maneira única e extremamente inteligente, utilizando o melhor de cada plataforma (Facebook, Twitter, Instagram e Youtube) para dialogar com seus consumidores. E nas redes sociais, não tem pra ninguém. A marca já emplacou diversos cases de sucesso. Veja alguns exemplos:

PLATA O PLOMO

Para divulgar a nova temporada de Narcos, que conta a história do traficante colombiano Pablo Escobar, a empresa apostou em uma campanha um pouco diferente; contratou o João Kleber (sim, aquele do Teste de Fidelidade) para mostrar em uma divertida brincadeira, que assistir às séries do serviço sem o (a) parceiro (a) é uma traição imperdoável.

O QUE ASSISTIR?

Quem nunca ficou horas na frente da tela vendo os títulos disponíveis no serviço sem saber o que assistir? Como a empresa sabe que todo mundo passa por isso, ela aproveitou o sucesso de um dos memes mais virais dos últimos tempos: o John Travolta em Pulp Fiction, completamente perdido.

VAMOS FAZER O QUE?

O primeiro vídeo que realmente viralizou no Brasil da plataforma foi esse, onde o ícone da internet, Inês Brasil, aparece confinada em Litchfield, conversando com Piper, protagonista de Orange is The New Black. Não demorou para que os compartilhamentos começassem e a expectativa pela nova temporada começasse.

ENEM

Durante o período de provas do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), a Netflix deu início a uma campanha que incentiva o estudo. Sua mensagem era categórica: “Vá estudar. Depois das provas suas séries favoritas continuarão na Netflix”.

POLÍTICA

Em meio à tantos escândalos de corrupção, a Netflix não perdeu a oportunidade de viralizar. Em um tweet do perfil oficial de House of Cards, série que aborda o desvirtuamento dos políticos americanos, foi postada a frase “Tá difícil competir…” tornando esse um dos tweets mais repostados da história do Brasil.

NEM TÃO INFANTIL

Com várias referências aos anos 80, a série Stranger Things se tornou uma das favoritas do público. Pensando nisso, a empresa decidiu usar uma das maiores referências brasileiras da década: a rainha dos baixinhos, Xuxa, para divulgar a série em um vídeo cheio de referências às polêmicas envolvendo a loira.

Deu para entender um pouco os motivos pelo qual a Netflix é um sucesso absoluto, certo? A empresa utiliza todas as ferramentas a seu dispor com muita qualidade, criatividade e inteligência para conquistar uma legião não apenas de consumidores, mas de fãs ao redor do mundo. Um exemplo que pode ser estudado para quem deseja alcançar o sucesso.

Gostou o artigo? Se sim, comente e compartilhe!


Curta & Compartilhe:
Tags: agência / blockbuster / boxx / branding / conteúdo / criativa / criatividade / digital branding / filmes / marca / marketing de conteúdo / marketing digital / netflix / o que assistir / política / séries / sucesso
agencia branding

INSIGHTS BOXX

 

Assine nossa newsletter Insights Boxx e receba novidades por e-mail.

Obrigado por assinar nossa newsletter! Para começar receber nossas atualizações enviamos um email de confirmação, verifique em sua caixa de spam.